Terça-Feira, 18 de setembro de 2018 Nossa história      

Notícias

Pela 2ª vez, TCE julga improcedente denúncia de vereadora de oposição contra prefeito Edilson Brito

A mencionada denúncia foi apreciada na manhã desta quarta-feira, 15, pela Segunda Câmara do TCE-PI, sendo julgada, por unanimidade, improcedente em todos os seus termos, em conformidade com o voto da relatora dos autos, a Sra. Conselheira Waltânia Maria Nogueira de Sousa Leal.

O Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE -PI) julgou improcedente pela segunda vez consecutiva denúncia formulada pela vereadora de oposição Adenilda Aldeílde Bento, contra o atual prefeito de Vila Nova do Piauí, Edilson Edmundo de Brito.

Na denúncia ingressada perante o Tribunal de Contas do Estado do Piauí, a vereadora aduziu que a mais de 2 (dois) anos o prédio da vigilância sanitária, localizado na Rua Francisco Macêdo, nº 20, na cidade de Vila Nova do Piauí, está sem ser utilizado e que os seus servidores, mesmo sem darem expediente, recebem seus salários em sua integralidade.

A mencionada denúncia foi apreciada na manhã desta quarta-feira, 15, pela Segunda Câmara do TCE-PI, sendo julgada, por unanimidade, improcedente em todos os seus termos, em conformidade com o voto da relatora dos autos, a Sra. Conselheira Waltânia Maria Nogueira de Sousa Leal.

A decisão de julgar improcedente a denúncia foi respaldada pelo Ministério Público de Contas que se manifestou, em seu Parecer, pela improcedência e arquivamento da denúncia, pela ausência de apresentação de provas pela denunciante que fundamentasse a denúncia, apresentando apenas uma firmação genérica.

Pelas redes sociais o prefeito comemorou a decisão. “Vim aqui para dar a notícia ao povo da nossa querida Vila Nova, sobre a denúncia da Vereadora Adenilda sobre a vigilância sanitária do nosso município, dizer que o TCE arquivou o processo e votou 3 x 0 contra a denúncia por não haver provas contra nós. Mas uma vez o bem, o trabalho, a nossa transparência com a gestão prevalece”, disse.

Os advogados que defenderam o prefeito, foram o Dr. Armando Ferraz Nunes e a Dra. Nainany Leila Barbosa.

Está é a segunda vez que a corte de contas do Estado, julga improcedente denúncia da referida vereadora contra o prefeito Edilson Brito. Em maio foi julgada uma denúncia que onde a vereadora afirmava que  a clínica “CLIMULHER”, não existiria, sendo fictícia.